Aprenda com o Blog

Tendências de tecnologia para 2018: como usá-las a favor do seu negócio

tendências tecnologia

Novas tecnologias surgem a todo momento e, como profissionais de Marketing Digital, nosso papel é acompanhá-las e saber o momento certo de apostar em cada uma delas – e se isto realmente vale a pena.

Assim como a velocidade com que surgem é muito rápida, muitas vezes, o prazo de validade também pode ser curto. Por isso, aproveitar as tendências, no momento certo, é fundamental para não criar estratégias ultrapassadas e que podem prejudicar os resultados.

Outro ponto importante a considerar é que não devemos – nem somos obrigados – a incluir todas as novas tendências tecnológicas em nossas campanhas. Até porque seria inviável. O segredo está em estudá-las e entender como seu negócio pode se beneficiar delas, além de aplicar inovações que efetivamente façam sentido para a sua marca e seus objetivos enquanto empresa.

Quais inovações tecnológicas os consumidores gostariam de usar em 2018?

 

Segundo pesquisa realizada pela Code Computerlove, em parceria com a OnePoll, algumas tecnologias emergentes ganharam destaque e indicam as tendências para 2018: assistentes de voz (23,7%), pagamentos mobile (23%), realidade virtual (15%), realidade aumentada (11,7%) e chatbots (8,8%).

A maioria dessas tecnologias já vem sendo explorada por algumas empresas, em nichos específicos. Entretanto, vale ressaltar que ainda há bastante espaço para que elas cresçam ainda mais façam parte efetiva do dia-a-dia das pessoas.

A seguir, vamos explorar um pouco mais cada uma dessas tecnologias emergentes e entender como podemos utilizá-las a nosso favor, dentro do Marketing Digital.

Assistentes de voz

 

Com o lançamento do Google Home, em 2017, juntamente com o Amazon Echo e Alexa, a busca por assistentes de voz está chamando a atenção também de quem trabalha com Marketing Digital.

Uma pesquisa recente constatou, por exemplo, que 50% das buscas no Google serão feitas por meio de comandos de voz, até 2020. Isto nos dá uma visão muito mais clara das novas oportunidades que estão surgindo, no cenário online, para que a sua empresa saia na frente, dentro do tão disputado mercado do SEO (Search Engine Optimization).

O Google Home busca as respostas dos comandos de voz no próprio Google. Portanto, as estratégias de SEO continuarão a funcionar bem para este mecanismo. A pesquisa por palavras-chave será fundamental para garantir que você fique no topo das pesquisas.

Outro ponto a considerar são os snippets (resumos do seu conteúdo), utilizados na hora de os assistentes de voz – como o próprio Google Home – identificarem uma resposta. Vale lembrar, ainda, que o Alexa e o HomePod trazem resultados tanto do Google, quanto do Bing. Então, vale a pena investir em SEO nestas duas plataformas de busca, para que você tenha ainda mais chances de aparecer primeiro.

Os assistentes de voz têm ganhado cada vez mais adeptos e, quanto mais você otimizar seu site com técnicas atualizadas de SEO – a fim de que o seu projeto apareça em destaque, nos mecanismos de busca -, mais acessos você terá na sua página (e maiores serão as suas chances de gerar conversão)!

Realidade aumentada e realidade virtual

 

Estas duas grandes tendências estouraram em meados de 2016 e ainda continuam fortes. Relacionando-as ao Marketing Digital, podemos dizer que há muito potencial para campanhas, inovação em prestação de serviços e experiência do usuário (algo que tem ganhado muita atenção das marcas, por conta das tendências de consumo).

A realidade aumentada, como o próprio nome indica, tem como princípio a inserção de elementos virtuais em nossa realidade, trazendo uma experiência que acrescenta algo novo àquilo que você já vê, digamos assim. Já a realidade virtual consiste num ambiente 100% criado digitalmente, para que você tenha uma imersão em uma nova realidade.

A realidade virtual, por exemplo, tem sido aposta de grandes marcas, em campanhas de Marketing. Um exemplo é a Fanta, em sua campanha para o Halloween de 2017, no Reino Unido. Dentre as várias ações, estava a criação de um vídeo em que o usuário entrava em um elevador que parava no 13º andar de um prédio. Lá, ele se deparava com criaturas e situações aterrorizantes.

Outro exemplo do uso dessas tendências foi o Pokemon Go, que virou febre em vários cantos do mundo. O jogo de realidade aumentada traz os pokémons para o nosso cotidiano, por meio do aplicativo. Na primeira semana de lançamento, o jogo teve mais de 650 milhões de downloads.

Algumas estatísticas que podemos atrelar a essas tecnologias emergentes é o aumento contínuo do uso de dispositivos móveis. De acordo com pesquisas recentes, os usuários passam uma média de 69% do seu tempo no celular. E a tendência é que, muito em breve, o acesso à internet via mobile ultrapasse a marca de 80%, quando comparada aos demais dispositivos. Isto nos dá uma visão bem clara de como devemos apostar nessas novas tendências e torná-las acessíveis, em dispositivos que dominam o mercado.

Assim como o Pokémon Go, outra proposta que soma à realidade aumentada e ao mobile é a melhoria da experiência do usuário disponibilizada pela IKEA – loja popular na Europa e Estados Unidos, focada em decoração para casa. A empresa criou um aplicativo que permite aos usuários inserir móveis disponíveis na loja em suas próprias casas, para que possam simular a disposição real dos mesmos. O resultado foi um aumento nas vendas, com a utilidade prática servindo de base para a conversão.

Chatbots

 

Os chatbots são uma forma de marketing automatizado, associada ao atendimento ao cliente. Com a demanda crescente de usuários entrando em contato com as marcas, querendo respostas rápidas para seus problemas, o uso de chatbots tende a crescer bastante, nos próximos anos.

Esta é uma tecnologia que ajuda – e muito – o Marketing Digital. Porém, é necessário o devido cuidado, para que a experiência do usuário não seja prejudicada. Por mais que os chatbots entreguem respostas rápidas – e muitas vezes precisas -, o fato de estar falando com um ‘robô’ pode não ser muito positivo, no ponto de vista do usuário.

Se utilizado de forma equilibrada, os chatbots podem ser uma ajuda e tanto, resolvendo problemas de forma ágil, poupando tempo e filtrando muito bem a demanda por contato direto com os funcionários da empresa.

Pagamentos mobile

 

Por mais que as carteiras virtuais – como o PayPal – já sejam muito utilizadas e o pagamento por meio do celular tenha se tornado bastante difundido, ainda existe uma certa resistência em pagar pelas coisas via mobile. Principalmente, através da internet.

No Brasil, por exemplo, o boleto ainda é uma forma de pagamento super popular, mesmo com a existência de outros meios rápidos e seguros. De qualquer maneira, as tecnologias vão surgindo e, de uma forma ou outra, é necessário acompanhá-las, a fim de não ficar para trás.

É claro que também é preciso acompanhar os hábitos de consumo do seu público-alvo. Entretanto, aos poucos, a adoção dessas novas tecnologias se tornará mais frequente. E a sua empresa precisa estar preparada para isso.

Alguns exemplos são a aproximação do celular de máquinas de cartão, para fazermos compras, sem que seja necessário ter seu cartão de crédito com você. As carteiras virtuais, como do PayPal e Apple Pay, permitem que você transfira dinheiro para comprar online ou até envie quantias por meio de mensagens de celular, sem que seja necessário o uso do cartão físico.

Com equilíbrio, é possível criar ações criativas e melhorar aquilo que já oferecemos aos nossos clientes, possibilitando o surgimento de diferentes oportunidades de negócio. Acerte nas escolhas… E bons resultados!

 

Otimize seu SEO

Sobre o Autor

Fernando Freitas é diretor-fundador da Converta na Web. Seus resultados diferenciados em Marketing Digital já lhe renderam a capa da revista “Pequenas Empresas & Grandes Negócios”. Profissional credenciado pela norte-americana HubSpot, criadora da Inbound Marketing Methodology e principal referência do mundo em conversão na web. Estrategista, consultor e professor de pós-graduação no segmento digital, com foco em conversão e negócios de alta performance.